Como Jerry Lewis arrecadou mais de R$ 6 bilhões para a caridade ao longo de 40 anos

No último domingo, dia 20 de agosto, minha timeline bombou com manifestações de pesar por conta da morte de Jerry Lewis, um dos maiores gênios da comédia no século XX. Também, pudera. Assim como eu, a maioria dos meus amigos na faixa dos 40 e tantos literalmente cresceram em frente à TV. E Jerry — permita-me chamá-lo pelo primeiro nome, por favor — foi um dos nossos primeiros e maiores ídolos.

CONHEÇA E CURTA O TUDO DO BEM NO FACEBOOK

As reprises dos filmes clássicos do comediante, produzidos nas décadas de 1950 e 1960, embalavam nossas sessões da tarde. O ritual de chegar em casa, almoçar vendo o “Globo Esporte” e afundar no sofá para rir das piadas de Jerry era uma delícia. Filmes como “O Terror das Mulheres”, “O Mensageiro Trapalhão” e, claro, “O Professor Aloprado” sempre terão um lugar especial na minha memória afetiva.

VEJA TAMBÉM: #VivaBarcelona — fotos inéditas do mercado La Boqueria mostram o prazer de viver catalão

Quando soube da morte do ator, aos 91 anos, logo lembrei de um aspecto da sua vida que vai muito além da comédia. Jerry foi um dos maiores filantropos do mundo das artes.

Ao longo de quatro décadas, ele foi o principal responsável pela arrecadação de mais de US$ 2 bilhões (ou quase de R$ 6,3 bi) para a Muscular Distrophy Association, organização norte-americana que promove a pesquisa e auxilia no tratamento de vítimas da distrofia muscular. Esse grupo de doenças genéticas provoca o enfraquecimento progressivo dos músculos e, muitas vezes, não tem cura.

VEJA TAMBÉM: Maquiadora russa renova o visual da própria avó e vídeo com a transformação viraliza

Ainda nos anos 1950, ao lado de seu parceiro, o também comediante Dean Martin (foto acima), Jerry foi convidado a apresentar o “Telethon”, a célebre maratona televisiva que promove a doação financeira para causas humanitárias. A partir daí, o gênio do riso abraçou a causa e conduziu mais de 40 edições do programa. Abaixo, você vê Jerry no “Telethon” de 1976, ao lado de um de seus melhores amigos, o cantor Frank Sinatra.

VEJA TAMBÉM: Treze anos depois, canadense de 84 anos acha anel perdido em uma cenoura

Em 2009, o trabalho humanitário rendeu um Oscar especial ao ator, entregue pelo discípulo Eddie Murphy. Uma homenagem merecida e emocionante, que você confere no vídeo abaixo (em inglês).

Obrigado por tudo, meu querido Jerry.

arrow