Depois de documentar a gravidez nas redes sociais, homem transgênero dá à luz um menino

Vivemos tempos de transformações intensas em nossas estruturas familiares. E, pode acreditar, isso é um ótimo sinal. As mudanças no comportamento humano estão aí, dentro das nossas casas, para nos ensinarem a lidar com os diferentes redesenhos das nossas famílias. Séculos de preconceito e intolerância estão sendo enterrados em nome do amor puro e simples. Aquele mesmo velho sentimento, capaz de unir pessoas de qualquer gênero em um núcleo familiar.

CONHEÇA E CURTA O TUDO DO BEM NO FACEBOOK

Vejamos o peculiar caso dos norte-americanos Biff Chaplow e Trystan Reese, um homem transgênero de 34 anos (foto abaixo). Em 2015, Reese tomou coragem e resolveu contar a seu parceiro o desejo de dar à luz o primeiro filho biológico do casal. Afinal, apesar de ter feito tratamento hormonal por 10 anos para desenvolver pêlos faciais e deixar a voz grave, ele manteve seu aparelho reprodutório intacto.

The man. The myth. The bump. Photo credit: Shanna Sturgell

A post shared by Biff And I (@biffandi) on

VEJA TAMBÉM: Garotas quenianas inventam aplicativo contra mutilação genital feminina e disputam prêmio

“Biff ficou muito relutante no início”, disse Reese à revista “Parents”. “Na verdade, acho que as palavras exatas foram: ‘Claro que não, essa foi a ideia mais estúpida que você já teve.’ Ele estava preocupado com tudo que poderia acontecer comigo, com o preconceito.”

Mas tudo mudou depois que o casal passou por uma consulta com um especialista em reprodução. O médico interrompeu as doses de testosterona e Reese voltou a ovular poucos tempo depois. Ele ficou grávido logo em seguida, mas, infelizmente, perdeu o bebê logo nas primeiras semanas de gestação.

32 weeks today!!!

A post shared by Biff And I (@biffandi) on

VEJA TAMBÉM: Turistas fazem corrente humana para atravessar rio em enchente nos EUA

Depois de superar esse momento difícil, o casal seguiu tentando engravidar. E tudo acabou dando certo algum tempo depois. Ao saber que estava esperando um novo bebê, Reese resolveu transformar a sua jornada em um manifesto a favor da igualdade e da tolerância, documentando todo o processo nas redes sociais.

“Acreditamos que era possível transformar nossa experiência em algo positivo para a comunidade. Por isso resolvemos torná-la pública”, afirmou Reese. Segundo ele, um de seus maiores objetivos era mostrar que transgêneros não necessariamente precisam odiar os próprios corpos.

VEJA TAMBÉM: Depois de 71 anos, tradicional colégio da zona norte de SP anuncia fechamento e comove a web

A história teve final feliz no dia 14 de julho, quando Reese deu à luz o pequeno Leo (foto acima). O bebê logo juntou-se aos irmãos adotivos — na verdade, dois sobrinhos de Chaplow criados pelo casal — e, assim, a família iniciou um novo capítulo da sua história. Que sejam felizes para sempre.

  • arrow