Empresa transforma capas para próteses em arte e ajuda a melhorar a vida de amputados

Segundo os dados do último Censo, realizado em 2010, cerca de 470.000 brasileiros convivem com algum tipo de amputação. Por aqui, os maiores causadores do problema seguem sendo as doenças vasculares — sobretudo diabetes — e os acidentes de trânsito. Na maioria dos casos, as próteses usadas por brasileiros acabam escondidas por capas genéricas ou são simplesmente cobertas por alguma peça de roupa.

Nos Estados Unidos, a história é bem diferente. Por lá, mais de dois milhões de pessoas são amputadas, de acordo com a ong Amputee Coalition. Na maioria dos casos, trata-se de ex-combatentes das Forças Armadas, jovens que precisam ser inseridos com dignidade à sociedade quando voltam para seu país.

Para ajudar milhares de mulheres e homens nessa condição, uma empresa canadense resolveu unir tecnologia e estilo ao lançar uma série de capas para próteses que podem ser consideradas verdadeiros acessórios de moda. E, a julgar pela repercussão nas redes sociais, tal missão vem sendo cumprida com louvor.

VEJA MAIS: Alemã fotografa pessoas comuns com e sem roupa para mostrar que, no fundo, somos todos iguais

Segundo o site oficial da Allele Designs, a companhia aposta em diferenciais criativos para estimular esse mercado de nicho e levantar a auto-estima de quem precisa. “Somos artistas, e não protéticos. Temos um time de viciados em moda, totalmente obcecados por design. Estamos tentando resolver um problema de estilo, e não uma questão de saúde. Nossas capas para próteses servem para transformar algo mecânico em uma peça mecanic-chic”, afirma a apresentação.

As capas custam a partir de US$ 325 (cerca de R$1.000), e mais informações sobre elas podem ser conferidas no site oficial da Allele Designs. Veja abaixo alguns dos modelos mais descolados, registrados em fotos de consumidores e postadas no Facebook da marca.

CONHEÇA E CURTA O TUDO DO BEM NO FACEBOOK

VEJA MAIS: Metrô de Nova York lança biblioteca virtual gratuita e disponibiliza milhares de livros digitais aos passageiros

VEJA MAIS: 9 ex-membros de gangues de rua têm suas tatuagens apagadas para derrubar estereótipos

  • arrow