ONU revela projeto de cidade flutuante para até 10.000 habitantes – Tudo do Bem
  • ONU revela projeto de cidade flutuante para até 10.000 habitantes

    Um dos maiores temores causados pelo aquecimento global é a inevitável elevação nos níveis dos oceanos, causada pelo derretimento das calotas polares. Segundo estimativas divulgadas pela ONU, é bem provável que esse aumento chegue a 30 centímetros até 2045 — isso se o estrago continuar no ritmo atual. Apenas nos Estados Unidos, estima-se que mais de 130.000 residências serão engolidas pela água até lá.

    CONHEÇA E CURTA O TUDO DO BEM NO FACEBOOK

    Buscar soluções para a habitação de milhões de seres humanos, portanto, é um dos principais desafios que temos pela frente no futuro próximo. Para a Organização das Nações Unidas, a solução para o problema pode estar em uma rede de cidades flutuantes, localizadas perto da costa. Foi essa a proposta apresentada por um painel multidisciplinar promovido pela entidade.

    VEJA TAMBÉM: Dois sortudos vão passar uma noite de gala no museu do Louvre — saiba como concorrer

    Criado em conjunto pela empresa de arquitetura Big, a ONG Oceanix e o Centro de Engenharia Oceânica do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT), o projeto prevê a construção de módulos flutuantes, interligados e capazes de suportar residências, prédios comerciais, escolas, hospitais, jardins e áreas de cultivo. Ou seja, um pequeno oásis auto-sustentável no meio do mar sem fim.

    VEJA TAMBÉM: Japoneses criam seios artificiais para pais amamentarem seus bebês. Pode isso?

    O conceito também prevê a utilização de fontes de energia renováveis, a construção de usinas de dessalinização de água e o uso de uma série de veículos elétricos não-poluentes. Os criadores ainda afirmam que os módulos serão capazes de resistir a tempestades e outros fenômenos climáticos extremos.

    VEJA TAMBÉM: 10 mães empoderadas revelam a beleza de seus corpos depois do parto

    A tecnologia por trás do projeto ainda inclui o uso de “bio rochas” (acima), que poderão servir de hábitat para crustáceos e outras formas de vida marinha. Segundo informações do site IFLScience!, os próximos passos da iniciativa ainda não foram divulgados. Mas não há como negar que o conceito faz todo o sentido. Estaremos de olho!

     

     

  • arrow