Estação da Luz completa 120 anos de história – Tudo do Bem

Estação da Luz completa 120 anos de história

Estação Luz tem exposição sobre o câncer de próstata



A Estação da Luz se tornou um importante ponto da capital paulista, por ser um local que recebe, diariamente, milhares de pessoas e também pela beleza inspiradora de sua arquitetura, que mereceu tombamento do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Artístico, Arqueológico e Turístico (Condephaat) e a admiração do atento e nostálgico olhar paulista.

+Sul-africano bate recorde mundial de travessia a remo do Atlântico
+Bromélias servem de berçário para pererecas na Mata Atlântica
+Google oferece curso de capacitação profissional gratuita para mulheres

Em 1867 era inaugurada pela empresa Inglesa São Paulo Railway o lastro ferroviário que ligava Santos a Jundiaí, com extensão de 159 quilômetros e passagem por São Paulo justamente na Estação da Luz e Cubatão. Na mesma data, 16 de fevereiro, as estações Água Branca, Perus e Francisco Morato, da atual Linha 7-Rubi, e São Caetano do Sul, Santo André, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra da Linha 10-Turquesa, foram postas em operação.

O prédio original funcionou até pelo menos 1888. O rápido crescimento de passageiros e a necessidade de escoamento de produção exigiam mais espaço e estrutura e, em 1° de março de 1901, finalmente, é colocada em operação a instalação que conhecemos hoje. Ao longo do tempo a estação teve reparos. Umas das mais importantes intervenções foi a obra para anexar o Museu da Língua Portuguesa, hoje restaurado após o incêndio de grandes proporções ocorrido em 2015.

Olhares curiosos devem se perguntar de onde veio a ideia de construir uma estação tão cheia de personalidade e forte o bastante para estar em pleno estado de conservação, mesmo após um século e uma operação diária pesada. Esses atenciosos olhares também devem perceber a semelhança com a arquitetura inglesa dominante no século de XIX e início do XX. Além do investimento inglês, o idealizador da planta, a maior parte dos materiais vinha da Inglaterra e, por isso, a ferrovia ficou conhecida como “Ingleza”.

Em 1982, a Condephaat confirmou o tombamento do local como patrimônio histórico. A estrutura do local se encaixa no estilo neoclássico liderado pelo britânico Charles Driver, que trouxe elementos arquitetônicos góticos como as torres paralelas em referência às da Abadia londrina de Westminster e o Relógio inspirado no Big Ben. Em 2020, a CPTM em parceria com a Secretaria Estadual de Cultura de São Paulo, Fundação Roberto Marinho e Órgãos de preservação do Patrimônio, iniciou o restauro e pintura das fachadas e torreões da Estação da Luz.

Com 13,2 mil metros quadrados de área, a estação dá acesso a duas linhas da CPTM: Linha 7-Rubi e Linha 11-Coral (Luz-Estudantes), além das integrações gratuitas com as Linhas 1-Azul e 4-Amarela, do Metrô. A estação recebe uma média de 250 mil passageiros por dia útil e os trens da CPTM realizam diariamente cerca de 840 viagens.

Veja também:

+ Descubra as maiores tendências de cozinha que estão bombando em 2021

+ Cozinha afetiva: dicas e inspirações para uma decoração que exalta as memórias

+ A “Moto do Ano 2021” na Alemanha

+ Dançarina é condenada 3 anos de prisão por causa de vídeos no TikTok

+ Conheça o iate de luxo de Giorgio Armani: ele mesmo projetou e custa R$ 330 milhões

+ Cozinhas coloridas: veja dicas essenciais para apostar em projetos alegres, modernos e joviais

+ Previsões de Nostradamus para 2021: Asteróide e ‘fim de todo o mundo’

+ Bruna Lombardi posta foto nua aos 68 anos

+ Bruna Marquezine posa de biquíni no Copacabana Palace. Confira as fotos!

+ Os 3 signos mais sensitivos do zodíaco

+ Os ‘Sapatos de Satanás’ do rapper Lil Nas X conterão uma gota de sangue humano

+ O bico do seu p… é rosa? Juliana Caetano, responde a fã de maneira ousada



  • arrow