Mulher de 117 anos é oficialmente a pessoa mais longeva da história do Japão – Tudo do Bem

Mulher de 117 anos é oficialmente a pessoa mais longeva da história do Japão

Mulher de 117 anos é oficialmente a pessoa mais longeva da história do Japão



Reconhecida em fevereiro deste ano pelo Guinness Book como a mulher mais velha do mundo, a japonesa Kane Tanaka, de 117 anos e 261 dias comemorados no último sábado (19), é agora também a pessoa mais velha da história do Japão, tendo superado o recorde de Nabi Tajima, que morreu em abril de 2018 aos 117 anos e 260 dias.

+Netflix prepara lista com oito título para ver em família
+Nigeriano viraliza com fotos impressionantes de baixo custo
+Microsoft quer produzir mais água do que gasta até 2030

Moradora de um lar de idosos em Fukuoka e longe da família por conta da pandemia de Covid-19, Kane festejou a conquista bebendo uma garrafa de Coca-Cola, que é a sua bebida favorita.

De acordo com uma publicação do The Japan Times, além de beber refrigerantes, Kane é conhecida pelo seu amor aos chocolates. Atualmente, ela é a reconhecida como a terceira pessoa mais velha da história, sendo superada apenas pela francesa Jeanne Calment, que morreu em 1997 anos 122 anos, e pela americana Sarah Knauss, morta em 1999 aos 119 anos.

Veja também

+ Golden retriever obeso é abandonado, ganha nova família e perde 45 kg

+ Artista recria rostos de imperadores romanos

+App permite testar melhor design de sobrancelhas para você

+McDonald’s vende molho especial pela primeira vez no Brasil

+ No Twitter, aparecem fotos do navio que transportou nitrato de amônio para Beirute

+ Dicas fáceis de como limpar panela queimada

+ 5 minissuculentas que vão trazer muito charme à sua casa

+ Saiba mais sobre a vacina BCG, uma das mais importantes da infância

+ 4 passos fáceis para limpar o espelho com produto caseiro

+ Sylvester Stallone coloca seu Cadillac Escalade personalizado à venda; confira!

+ Veja cinco coisas que provocam mau cheiro em cães e saiba como combatê-las

+ Fazer o bem alivia dores físicas e mentais, aponta estudo

  • arrow